profile cover
0.50%
Compartilhar

Criado em 30/06/2018

Enfermeiro Gilberto Lima

Cargo Pretendido:
Deputado Federal - MG

Filiação Partidária:
PV

Dias restantes

-319

R$ 20.000,00
Objetivo
R$ 100,00
Arrecadado

Contribuir

Por que quer ser candidato?

O amadurecimento veio depois de muita conversa, inicialmente com amigos de Profissão da Enfermagem, que me convidaram para a Construção de um projeto de Renovação Política, sendo pela primeira vez com a participação da Enfermagem Mineira, profissão em que estou desde 1986.
E após discutir no seio da família, havia ainda a necessidade de encontrar um partido que me oportunizasse a defesa dos projetos, e que me oferecesse liberdade de atuação no legislativo. Não era algo fácil, após algumas analises, defini certas exigências para a filiação, mas a dois dias do prazo máximo para a filiação o partido escolhido acolheu a ideia - Partido Verde (PV).
Trata-se de um coletivo. Sei que nunca estivemos lá. Sei que a Enfermagem nunca foi politizada. Caso confirme a candidatura não farei acordos de interesses escusos em busca de recursos, pois não entrarei na política em troca de favores especiais ou empresariais. A pré-campanha e possível campanha, será pautada na Legalidade, na Moral e na Ética.
A ideia de ser pré-candidato a câmara federal, foi uma escolha coletiva entre amigos e apoiadores iniciais e partido. Estou me expondo, saindo do conforto de um telespectador para a entrada no cenário político. Sei que ouvirei críticas, mas terei muitas manifestações colaborativas e são estas que me manterão firme no propósito de caminharmos juntos!

Pautas e bandeiras defendidas

Bandeiras

Defender o SUS em seus princípios doutrinários e organizativos
Oferecer condições dignas de trabalho para os Profissionais de Enfermagem e Saúde
Melhoria e manutenção rigorosa das condições de Segurança do paciente
Fortalecer as medidas de controle e combate à corrupção
Defesa dos Pré-requisitos para Promoção da Saúde estabelecidos na Carta de Ottawa.


Princípios

- Respeito à Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas.
- Propagação do saber científico, técnico, humano, ético, social e cultural para a transformação pacífica e consolidação de uma sociedade informada, preparada, justa e solidária;

Propostas

1) Oferecer condições dignas de trabalho para os Profissionais de Enfermagem e Saúde:

- Melhoria e manutenção rigorosa das condições e saúde e dignidade do trabalhador no exercício das suas funções
- Defesa e mobilização para a aprovação do Piso Salarial para uma Jornada de 30 horas de trabalho semanal para Auxiliares e Técnicos de Enfermagem e Enfermeiros;
- Defesa e mobilização para a aprovação da jornada de 30 horas de trabalho semanal para Auxiliares e Técnicos de Enfermagem e Enfermeiros
- Manutenção e reformas, periódicas e de acordo com demandas de urgência, das estruturas físicas das Unidades de Saúde;
- Período de descanso em local digno e tempo suficiente para Auxiliares, Técnicos de Enfermagem e Enfermeiros;
- Alimentação de qualidade e quantidade necessária a intervalos recomendáveis como práticas de promoção da Saúde e prevenção de doenças ocupacionais para os profissionais da Saúde durante as jornadas de trabalho;
- Aposentadoria especial para os enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem;
-Garantia do direito e proteção de profissionais de Enfermagem de realizar atos ou manifestos individuais ou coletivos, para defender a Lei do Exercício Profissional.
- Incentivo de Desenvolvimento e Premiação aos Profissionais e Instituições Saúde, por resultados alcançados;

- Incentivo e difusão de iniciativas inovadoras de práticas que favoreçam o acesso e atendimento das necessidades de saúde de pacientes e áreas de abrangência.

2) Defender o SUS em seus princípios doutrinários e organizativos:

- Defesa do cumprimento do Papel do Estado em otimizar os recursos oriundos dos impostos pagos por cada Brasileiro, retornando ao que deles é de direito em serviços públicos e de Seguridade Social
- Proteção das conquistas e aperfeiçoar o desenvolvimento das Políticas Públicas de Saúde existentes;
- Manutenção da Luta Antimanicomial e a expansão da rede Substitutiva de Saúde Mental;
- Fortalecer a Política Nacional de Atenção Básica, as Equipes de Estratégia de Saúde da Família, os Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica - Nasf-AB, as equipes de Consultórios de Rua;
- Defender políticas que atendam os pré requisitos para Promoção da Saúde estabelecidos na Carta de Ottawa;
- Apoio a projetos de inclusão e desenvolvimento de autonomia para populações vulneráveis;
- Promoção do acesso de projetos de educação cidadã, esporte, cultura e lazer às populações menos favorecidas, como estratégia de prevenção da violência;
- Defesa do orçamento e financiamento necessário, bem como seu uso eficiente para a Saúde, nas Esferas Federal, Estadual e Municipal.
- Criação da Política Nacional de Planos de Cargos, Carreiras e Salários para todos Profissionais da Saúde da Atenção Básica;
- Defesa e exigência da elaboração, revisão e atualização de Planos de Cargos, Carreiras e Salários para todos Profissionais da Saúde no âmbito público e privado;
- Obrigatoriedade de profissional de nível superior com formação específica e conhecimento de gestão, para atuar como gerente nas equipes de Estratégia de Saúde da Família, e gratificação financeira adequada pela responsabilidade do cargo;
- Extensão do horário das Equipes de Saúde da Família, para funcionamento de 7:00 às 19:00 horas;
- Defesa da preservação do meio ambiente, e do desenvolvimento sustentável, com estratégia de promoção de saúde e prevenção de doenças;
- Criação de Programa e equipes multiprofissionais específicas para a detecção, prevenção, controle e reabilitação de portadores de obesidade (parte essencial do tratamento de diabetes, hipertensão e outras comorbidades de grande impacto) para atuar na reeducação alimentar e prática regular de atividades físicas;

- Estimular e promover atividades em centros esportivos e demais espaços esportivos, definindo sanções para municípios que deixarem estes espaços ociosos;

- Elaborar projetos para maior adesão e inclusão de crianças e adolescentes do gênero feminino ao esporte;

- Defesa de incentivo financeiro para projetos de apoio ao Atleta.


3) Melhoria e manutenção rigorosa das condições de Segurança do Paciente e do Profissional da Saúde;

- Fortalecimento o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP).
- Extensão às comunidades e sociedades da temática de Segurança do Paciente
- Exigência do farmacéutico clínico nas Instituições hospitalares para atendimento clínico a idosos, gestantes, recém-nascidos, e conforme protocolos clínicos.
- Defesa e disseminação da Cultura de Segurança do Paciente
- Determinação de parâmetros quantitativos de profissionais de enfermagem compatível com a complexidade das necessidades dos pacientes assistidos;
- Garantia de material para atendimento de emergência, treinamento periódico de todos profissionais dentro de todas as unidades de saúde.
- Responsabilização das instituições e dirigentes que descumpram as medidas descritas.
- Ampliação das normativas que visem a Segurança do Paciente e do Profissional de Saúde em todos os estabelecimentos de Saúde do País.

- Ampliação de Programas Públicos de Educação Permanente para os Profissionais em todos os níveis de Atenção à Saúde;
- Estabelecimento de parâmetros, no âmbito do Ministério da Saúde, para abertura, avaliação regular e manutenção de cursos de Formação dos Profissionais de Enfermagem e de Saúde;
- Mobilizar para a inserção da temática Segurança do Paciente nos currículos dos cursos da área da Saúde dos níveis médio, graduação e pós-graduação
- Garantia do aperfeiçoamento dos Sistemas de Referência e contra-referência com registro e gerenciamento e vigilância periódica de demandas reprimidas ou não atendidas.
- Fortalecimento dos Serviços de Vigilância Sanitária e Epidemiológica
- Defesa de Investimentos em ciência, pesquisa e tecnologias que visem a qualidade dos serviços prestados, a Segurança do Paciente e do Profissional de Saúde
- Estímulo e fortalecimento dos vínculos profissionais e institucionais da rede SUS para qualificação e atendimento de demandas da população.
- Estabelecimento de legislação especifica para o Uso e Administração Segura de Medicamentos, conforme o Programa de Segurança do Paciente;

- Adoção de medidas que visem a efetivar as normativas de Segurança do Paciente no âmbito da Atenção Primária.

4) Fortalecer as medidas de controle e combate à corrupção:
- Responsabilização e punição dos atores de corrupção ativa e passiva, devolução aos cofres públicos dos valores de todos os desvios comprovados;
- Defesa da capilarização da Ética em toda Sociedade Brasileira;
- Oferta aos ocupantes de cargos eletivos, condições de trabalho necessárias e suficientes para o cumprimento de suas funções;
- Extinção de todo e qualquer direito que não possa ser oferecido, nas devidas proporções, ao cidadão comum.
- Estímulo, difusão e ampliação de ferramentas e organizações que favoreçam o pleno acesso à informação e transparência dos investimentos públicos e ações dos servidores públicos à toda população;

5) Prestar de contas periódicas das ações realizadas.
- Manutenção de canais abertos de comunicação entre o Representante e seus eleitores, via redes sociais e outras tecnologias, para que a representação seja executada de forma comparticipava.

- Reuniões periódicas presenciais junto à população.


Histórico

APRESENTAÇÃO DA TRAJETÓRIA DE VIDA


ENFERMEIRO GILBERTO LIMA
PRÉ - CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL


PRIMEIRA INFÂNCIA NO MUNICÍPIO DE ITAÚ DE MINAS

Sou o irmão mais novo dos quatro filhos do Senhor Jorge Lima e da Dona Maria. Nasci na primavera de 1967, dia 29 de setembro, em Itaú de Minas - sudoeste do estado.
Meu pai, por muito tempo, trabalhou em fazendas do grupo Votorantim, e minha primeira infância foi neste cenário ruralista, andando à cavalo, convivendo com a natureza, cachoeiras e animais. Posteriormente, quando as fazendas deram espaços para plantações de eucalipto, meu pai tornou-se ajudante de mecânico em manutenção, na fábrica de cimento Itaú deste mesmo grupo, onde permaneceu até aposentar-se. Por um bom tempo, permanecemos na casa da antiga fazenda, adorava brincar nas estruturas abandonadas dos currais de gado, e caminhar por entre os eucaliptos, foi neste cenário que gostava de imitar os grandes oradores de filmes épicos, na vastidão daquele espaço e na falta do humano, fantasiava que os eucaliptos eram pessoas me ouvindo. Minha mãe, assim como as mulheres de seu tempo, trabalhou com muito zelo no cuidado da casa e com bastante rigor na educação dos filhos. Fui uma criança observadora, extrovertida e bem comportada, assimilava e era obediente aos ensinamentos que meus pais davam aos meus irmãos mais velhos. Isso me preservou da pedagogia das palmadas e puxões de orelha. Apreciava escrever cartas e assistir filmes. Quando adolescente, os filmes de Chaplin e as cartas de Einstein do livro “Como vejo o mundo”, e os livros da vida de Gandhi e de Martin Luther King, foram grandes influências.

INÍCIO PROFISSIONAL E A SANTA CASA DE PASSOS

À época dos meus 14 anos, incentivar os filhos a aprender um ofício era tão valorizado quanto estudar. Meu pai, cumprindo seu papel, me levou ao Senhor Wilson Rachid que era proprietário da Farmácia Itauense, e como Balconista - iniciei minha trajetória na área da saúde. Nessa ocupação tive minhas primeiras lições sobre servir ao público. Nesse espaço aprendi a ler e a ouvir o que as pessoas buscavam, quais eram as suas necessidades. Posteriormente trabalhei nas drogarias do Senhor Abrão Fadul e da Senhora Maria Tereza. Foi em Itaú de Minas, que tive minha base Moral, Ética e Profissional.”
Aos 18 anos, fui admitido como Atendente de Enfermagem na Santa Casa de Misericórdia de Passos. Senti amor ao primeiro contato com a profissão, o que não me poupou de ter que responder, muitas vezes - perante minha família e amigos - por essa escolha. O pouco reconhecimento social da Enfermagem, bem como o pequeno número de homens nos seus quadros, em contraponto às escolhas dos meus irmãos pela área das indústrias gerava desconfiança de ser este um bom caminho. Contudo, se me perguntavam como me sentia no novo emprego, convictamente respondia: “Quero morrer empurrando uma cadeira de rodas”.
As especializações e separações por clínicas ainda se iniciavam e era frequente, em um mesmo setor - na Santa Casa, conhecidos por “alas” - uma variedade de pacientes com patologias diversas. Essa característica - da época da “seringa de vidro e da agulha rombuda” - me proporcionou desenvolver um olhar para muitos tipos de patologias e, também, a necessidade de individualizar a assistência, sem automatismos. Lembro de vários pacientes daquela época, mas especialmente de um paciente com queimadura de grande extensão, cujo cuidado diário exigia horas de dedicação, e neste contexto passei a valorizar mais a minha vida e ao mesmo tempo, despertava compaixão e reforçava paixão pelo que fazia. Guardo boas recordações dos colegas que me acolheram naquela época e me ensinaram a cuidar, com sua experiência e exemplo.
Os colegas me consideravam autodidata e eu, ávido por conhecimentos, buscava o aprimoramento técnico científico em jornais, revistas e livros da área da saúde. Todavia, para atender à exigência do Conselho de Enfermagem e continuar exercendo a profissão, foi necessário fazer o curso profissionalizante de Auxiliar de Enfermagem.

A DECISÃO E OS NOVOS HORIZONTES PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

Em maio de 1998, casado e com dois filhos, passando por várias dificuldades de um profissional mal remunerado, incentivado pela minha esposa, pelo meu amigo Enfermeiro Alex Sandro, que cursava a graduação na época, e por colegas de Profissão, resolvi tomar a maior decisão em minha vida: Entrar para a tão sonhada Faculdade e ir em busca de novos horizontes para mim e minha família.
O diploma de Enfermeiro viria como consequência da superação de três desafios: concluir o ensino médio, passar no vestibular e concluir o Curso Superior de Enfermagem. Eu sabia que a cada etapa, era sabido que o nível de dificuldade seria maior e exigiria de mim mais empenho.
Determinado, o primeiro objetivo foi alcançado em três meses através do exame supletivo em massa e no CESEC em Alpinópolis. Em mais três meses, alcancei o segundo: a aprovação num vestibular, cuja concorrência para aprovação era de seis candidatos por vaga. Assim, foi com imensa alegria e entusiasmo, que ansiosamente encontrei meu nome na lista dos aprovados
Com muita expectativa, no início de 1999, ingressei num ambiente em que me sentia à vontade. Percebia a transformação que a aquisição do conhecimento científico operava em mim. Ao mesmo tempo, lamentava que muitos não tinham a mesma oportunidade.
Sem dúvida, financiar o curso, foi a maior dificuldade para o cumprimento dessa etapa. Para arcar com as despesas da faculdade e da família foi preciso dupla jornada de trabalho, assim como sustentar a fé acima do cansaço físico e das incertezas. Essa realização somente se concretizou por que não me senti só, em função do apoio recebido.
Esse apoio se manifestou de muitas formas. O de minha esposa Rosane, com renúncia e compreensão, e foi uma verdadeira vendedora de “rifas” nos momentos mais críticos. De forma peculiar e marcante, recebi uma dose de encorajamento e forças para seguir adiante, na premiação e publicação no jornal local, de uma redação por ocasião dia dos pais. Nela, minha filha relatava sua preocupação e seu desejo de me ajudar a ser um “Enfermeiro Formado”. Além da família, as palavras e gestos de apoio dos amigos da Santa Casa, bem como a saudável parceria dos colegas de faculdade Carlos e Teniers renovavam minhas forças. Assim, com muita felicidade que o diploma de Enfermeiro foi recebido em 2002.

O TEMPO NÃO PARA ... E OUTRAS LUTAS CONTINUAM!

Ao chegar ao horizonte determinado quatro anos antes, novos horizontes se apresentaram e havia caminho pela frente.
Os próximos passos foram conseguir um emprego como Enfermeiro, o que por sua vez, demandou mudança de cidade. Carmo do Cajuru, com sua receptividade, acolheu a mim e minha família. Em Divinópolis, iniciei minha carreira de Enfermeiro. No Hospital São João de Deus, fui o primeiro enfermeiro a assumir a coordenação da Clínica Médica no querido e inesquecível “Setor Quatro”. No Hospital Santa Mônica, integrei a primeira equipe de Enfermeiros de Supervisão Noturna.
Foi difícil, porém muito gratificante, aprender minhas primeiras lições de liderança, num momento em que iniciava a inserção do Enfermeiro nos Serviços de Saúde. Havia uma grande expectativa sobre o desempenho do nosso trabalho, tanto por parte das instituições que nos contratavam, quanto das equipes de enfermagem que iríamos liderar. Entre incertezas e muito trabalho, consegui desenvolver uma boa convivência e tive, em cada um dos meus liderados, um excelente professor.
No início de 2004, atuei como professor, no nível Técnico de Enfermagem, dos cursos CECON e PROFAE, em Divinópolis. Em dezembro do mesmo ano, mudei para o município de Itaúna - MG, para assumir, por meio de Concurso Público, o cargo de Enfermeiro de Estratégia de Saúde da Família - ESF. Sabedor de que uma boa mente precisa de estudo e trabalho contínuos, mantive a busca de aprimoramento, trabalhando e estudando. Participei de cursos de atualização e aperfeiçoamento. Em 2005, numa parceria com a Enfermeira Tiana Rodrigues, o Centro Educacional São Camilo – MG, expandiu seus cursos de pós- graduação de Belo Horizonte para Divinópolis. Integrei, como aluno, a primeira turma de Especialização em Enfermagem Gerencial.


UM POUCO DE EMPREENDEDORISMO

Vencida mais essa etapa, fui convidado para auxiliar na Coordenação Administrativa do que estava se consolidando o Núcleo Centro Oeste de Minas do referido Centro Educacional. Posteriormente, assumi a Coordenação do Núcleo e, num ambiente acolhedor, recebemos e habilitamos cerca de quatrocentos especialistas distribuídos nos cursos de Auditoria em Sistemas de Saúde, Enfermagem em Urgência e Emergência, Enfermagem do Trabalho, Nutrição Clínica, Enfermagem Gerencial e Saúde da Família.
Atualmente auxilio na confecção de conteúdos programáticos e cronogramas para cursos preparatórios para Concurso Público, nos municípios de Itaúna, Divinópolis e região

A DOCÊNCIA NA UNIVERSIDADE

Em 2006, fui admitido para o Corpo Docente da Graduação em Enfermagem na Universidade de Itaúna, onde atuei por 11 anos nas disciplinas de Administração em Enfermagem Hospitalar, Administração em Enfermagem na Atenção Básica, Saúde do Idoso, Doenças Infectocontagiosas, Saúde Mental e Políticas Públicas de Saúde. Em Formiga, na UNIFOR, ministrei as disciplinas de Políticas Públicas e de Gestão nos Cursos de graduação de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia. Na pós-graduação, atuei como professor convidado pelo Centro Educacional São Camilo – MG. Em 2009, conclui a Pós Graduação Strictu Sensu tornando-me Mestre em Educação, Cultura e Organizações Sociais pela UEMG Divinópolis.

CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICA E NO CONSELHO DE ENFERMAGEM NA CAPITAL MINEIRA

Exerci a função de Conselheiro de 2012 a 2014. Enquanto Conselheiro aprimorei meus conhecimentos de gestão. Fui membro da Comissão de Controle Interno, onde foi possível controlar gastos, reduzir custos e analisar minuciosamente todos os processos de pagamentos e contábeis. Fui Referência aos setores financeiros, controladoria e à Unidade de Fiscalização. Trabalhei como membro da Câmara Técnica de Atenção Básica - CTAB, e Coordenei o Grupo de Trabalho em Segurança do Paciente na Assistência de Enfermagem, GT-SEPAE. Durante minha atuação, em meus pareceres nos processos éticos, defendi o olhar sistêmico e não o da cultura punitiva, diante dos erros cometidos pelos Profissionais de Enfermagem. Na maioria dos casos as condições precárias de trabalho foram pontos cruciais em minhas análises, embasado em pesquisas internacionais considerei o profissional como segunda vítima diante do erro, e que o problema das condições de trabalho estão além de questões trabalhistas, que se trata de um grave problema de Saúde Pública. Participei do programa de TV de Tudo um pouco da Rede Super e neste programa procurei defender os profissionais diante do julgamento social e midiático frente ao erro. Em 2014 recebi o prêmio Ana Nery do estado de Minas Gerais, considerado a maior Honraria para a categoria, concedido a profissionais que tenham se destacado pelo exercício profissional exemplar, no 17 CBCENF (Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem). E neste mesmo Congresso, como fruto da dissertação de mestrado, o artigo cientifico intitulado: “O olhar do Enfermeiro da estratégia saúde da família sobre o seu processo de trabalho” foi premiado como melhor trabalho apresentado. Neste mesmo ano fui membro da comissão Organizadora do I Congresso e V Fórum Internacional Sobre Segurança do Paciente realizado em Ouro Preto.
Desde o dia seis de Setembro de 2017 estou como Coordenador do Núcleo do Centro Oeste de Minas da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente - Rebraensp. Atualmente o número de eventos adversos, leva a dados alarmantes. Segundo pesquisas morre no Brasil três pacientes a cada cinco minutos por eventos Adversos (causas evitáveis). A literatura Nacional e Internacional mostra que estes eventos possuem causas sistêmicas, conforme já mencionado. Devido esta preocupação com a qualidade da assistência prestada, tenho sido frequentemente convidado para debater a temática. Tenho realizado palestras voltadas para a Segurança do Paciente em instituições hospitalares e de ensino de Belo Horizonte, e de cidades da Região Sul, Sudoeste, Centro Oeste, e Norte de Minas

DE ITAÚ DE MINAS A ITAÚNA

Dentre os territórios por onde vamos deixando nossas marcas, dois são determinantes para que nos sintamos cidadãos locais: aquele em que nascemos e aquele em que nossos filhos crescem e são educados.
Em Itaúna, resido desde 2004, e trabalhei na assistência e Coordenação da Atenção Primária à Saúde junto às equipes de ESF. Trabalhei, também, como Coordenador do Centro de Atenção Psicossocial - CAPS II, onde aprofundei os conhecimentos da Saúde Mental e dos movimentos de Luta Anti Manicomial. Eu sempre gostei de desafios, e em Itaúna fui convidado por todos os secretários de saúde para auxiliar na gestão. Elaborei, junto a, minha equipe, pois ninguém faz nada sozinho neste mundo, o projeto de expansão das equipes de ESF de 13 para 21 equipes hoje. Fui convidado também a coordenar a equipe de implantação do Protocolo de Manchester no Pronto Socorro do Município. Atualmente estou na Coordenação da APS do Município.

DEFENSOR DO SUS E DAS POLITICAS PÚBLICAS

Enquanto defensor do SUS e de Políticas Públicas, participei na organização de Conferências Municipais de Saúde, fui delegado municipal e estadual na IV Conferência de Saúde Mental, e na XIV Conferência de Saúde, fui delegado na instância Municipal, Estadual e Nacional. Em Itaúna, sou Conselheiro efetivo do Conselho Municipal de Esportes, Conselheiro efetivo do Conselho Municipal de Defesa Civil e Conselheiro suplente do Conselho Municipal de Assistência Social.

FILOSOFIAS

Enquanto filosofia, defendo a qualidade da VIDA como premissa deste maior valor, e a humildade como minha maior virtude. A manutenção e fortalecimento do nosso Sistema Único de Saúde – SUS, as Políticas Públicas e uma Enfermagem reconhecida socialmente e valorizada, enquanto minha maior causa.
Nós Profissionais de enfermagem somos muitas vezes comparados aos anjos, acho romântica tal comparação, mas preocupante. Pois anjo é doação 24 horas, não come e não dorme. Por enquanto somos seres falíveis que precisam de um sistema seguro, somos pais, mães e filhos que precisam de comida, de sono, de remuneração digna e respeito.
Acredito que o quadro crítico de determinadas áreas, são sintomas devido à falta de educação, lazer, esporte, desigualdades sociais, dentre outros fatores, e que a situação caótica da política brasileira, propiciará uma renovação pautada na Ética e no respeito ao cidadão brasileiro. Depois de muito tempo, percebe-se que morrer empurrando a cadeira de rodas, significou empurrar meus sonhos para a academia, e os acadêmicos para o bom oficio da profissão. Hoje a cadeira leva a esperança de tempos melhores. Carrega minha história, e de todos os profissionais e pacientes eternizados em minha memória. Considero continuar a empurrar a cadeira em outros espaços, para que um dia os corredores possam ter mais luz, menos descaso e mais reconhecimento.
Empurrar a cadeira da Enfermagem significa uma forma de agradecer, na esperança de que no caminho seja possível ouvir os aplausos e manifestações de alegrias pelas conquistas alcançadas pela Enfermagem. Por fim, enquanto otimista por natureza, sem maiores vaidades e sabedor da responsabilidade coletiva, considero propício a máxima de John Lennon, em que “Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.

PRIMEIRA REFLEXÃO SOBRE A REPRESENTAÇÃO NA
POLÍTICA

Em 2011, como membro da chapa 2 (dois), concorri ao processo eleitoral para a gestão do Conselho Regional de Enfermagem do Estado de Minas Gerais - Coren/MG. A vitória nas urnas trouxe uma composição de votos que me surpreendeu positivamente. Fomos eleitos com uma pequena diferença percentual na soma dos votos de todas as Seções. Entretanto, na Seção de Passos, a chapa 2, intitulada pelos funcionários da Santa Casa como “Chapa do Gilberto” teve um percentual de cerca 90 % (noventa por cento) dos votos. Esse fato me trouxe o sentimento de dever com os profissionais que me confiaram a responsabilidade defender a legalidade e dignidade do exercício da profissão.

ELEIÇÕES 2018: A DECISÃO E OS NOVOS HORIZONTES PARA MIM, PARA A ENFERMAGEM E PARA TODA SOCIEDADE

Uma tomada de decisão ousada. A segunda grande decisão e ainda maior que a primeira. Nunca estive na política partidária, o amadurecimento veio depois de muita conversa, inicialmente com amigos de Profissão da Enfermagem, que me convidaram para a Construção de um projeto de Renovação Política, sendo pela primeira vez com a participação da Enfermagem Mineira, profissão em que estou desde 1986.
E após discutir no seio da família, havia ainda a necessidade de encontrar um partido que me oportunizasse a defesa dos projetos, e que me oferecesse liberdade de atuação no legislativo. Não era algo fácil, após algumas analises, defini certas exigências para a filiação, mas a dois dias do prazo máximo para a filiação o partido escolhido acolheu a ideia - Partido Verde (PV).
Trata-se de um coletivo. Sei que nunca estivemos lá. Sei que a Enfermagem nunca foi politizada. Caso confirme a candidatura não farei acordos de interesses escusos em busca de recursos, pois não entrarei na política em troca de favores especiais ou empresariais. A pré-campanha e possível campanha, será pautada na Legalidade, na Moral e na Ética.
A ideia de ser pré-candidato a câmara federal, foi uma escolha coletiva entre amigos e apoiadores iniciais e partido. Estou me expondo, saindo do conforto de um telespectador para a entrada no cenário político.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A principal bandeira da minha pré-campanha é a luta pela saúde dos quase 21 milhões de mineiros. Essa luta abrangerá a representação de uma categoria que contabiliza cerca de 180.000 profissionais que trabalham diuturnamente.
Sou iniciante em política partidária, mas exerço a política representativa desde sempre. Quanto a minha capacidade de realização, gostaria de fazer saber, nesse primeiro momento - sem pretensão, mas também sem falsa modéstia - algumas considerações.
Tenho conhecimento técnico de formação e atuação de trinta anos na área de saúde, conhecimento de gestão de serviço público e de gestão de saúde a nível municipal e em espectro estadual. Tenho empreendedorismo social, como característica reconhecida pela maioria dos meus pares. Tenho pioneirismo e persistência que podem ser comprovados com minha história de vida e profissional.
Acredito que uma boa parte do que é necessário, para que o nosso país seja grande, é o cumprimento de nossa Constituição e, para que nossa saúde seja assegurada, que sejam implantados de forma, eficiente e eficaz, os Programas existentes no Ministério da Saúde.
Como Itauense e Itaunense, as pedras se fazem presentes na minha essência. Ora na firmeza, ora na solidez, ora na superação das pedras que atravessam nosso caminho e, ora em desdobramentos em que somos obrigados, literalmente, a retirar leite de pedras!
Na minha caminhada tenho encontrado tanta gente. Gente como a gente, andando junto: meus amigos, família e profissionais da Enfermagem, vieram e me puxaram e começamos o movimento. Por onde fomos passando vieram mais, Agentes de Saúde, médicos, farmacêuticos, nutricionistas, odontólogos, alunos e demais trabalhadores da Saúde. Conforme a notícia foi sendo disseminada, vieram os vizinhos, os parentes que a tempo não os via, as pessoas que viveram comigo em mais de 30 anos de profissão, os comerciários, as pessoas de cidades por onde passei, amigos da minha querida terra Natal, Itaú de Minas, que a tempos não os visitava. Gente demais se aproximando de todas as regiões do Estado de Minas Gerais e até mesmo de outros estados, ora andando, ora correndo ao meu lado. Fica difícil saber se sou eu quem os motiva, ou se sou motivados por eles.
A bagagem era para viagem curta, mas a todo tempo, a cada dia, as pessoas vão colocando Esperança, Fé e Ética, oferecendo habilidades e os seus preciosos tempos, sem contar que palavras de encorajamento e otimismo chegam o tempo todo, de todos os lugares, algumas de bem longe.
A bagagem está cada vez mais robusta, preparando me para uma viagem longa. Não sabemos até onde conseguiremos ir, mas a quantidade de gratidão que levo, já é imensa e suficiente para acompanhar-me até os meus últimos dias na Terra.



Respeitosamente,

Enfermeiro Gilberto Gonçalves de Lima
Coren-MG 116891

Siga-me nas redes sociais


Transparência


CPF Doador Valor Forma de Pgto. Data Pgto.
057.320.126-99 Fernando Meira De Faria R$ 100,00

Cartão de Crédito

30/06/2018